Notícias de Gravidez

Pré-Eclâmpsia: quais os Sintomas, tratamento e riscos para o Bebê.

A pré-eclâmpsia é uma condição médica que pode ocorrer durante a gravidez e é caracterizada por pressão arterial elevada (hipertensão) e danos a órgãos internos, como fígado e rins.

Esta condição afeta cerca de 5-8% das gestações e representa uma das principais causas de complicações maternas e neonatais em todo o mundo.

 A pré-eclâmpsia geralmente se desenvolve após a 20ª semana de gestação, e sua causa exata ainda não é completamente compreendida.

Esta condição é marcada pela presença de proteinúria, que é a excreção de quantidades anormais de proteína na urina.

O diagnóstico precoce e o gerenciamento adequado são fundamentais para prevenir complicações sérias, como eclâmpsia, síndrome HELLP e parto prematuro.

A pré-eclâmpsia Causas

A pré eclâmpsia é uma condição complexa e multifatorial que ocorre durante a gravidez. E

mbora as causas exatas não sejam completamente compreendidas, vários fatores contribuem para seu desenvolvimento.

Alterações na implantação da placenta, resultando em uma inadequada perfusão sanguínea no útero, desencadeiam respostas inflamatórias sistêmicas e disfunção endotelial.

Fatores genéticos também desempenham um papel significativo, com mulheres com histórico familiar de pré-eclâmpsia apresentando maior predisposição.

Distúrbios no sistema imunológico, obesidade, diabetes e hipertensão pré-existentes são fatores de risco adicionais.

Fatores de Risco para Pré-Eclâmpsia:

Os fatores de risco para pré-eclâmpsia incluem:

Histórico Familiar:

Mulheres cujas mães ou irmãs tiveram pré-eclâmpsia têm um risco aumentado.

Idade Materna:

Mulheres mais jovens, especialmente adolescentes, e mulheres mais velhas, acima de 35 anos, têm maior propensão.

Primeira Gestação:

A ocorrência de pré-eclâmpsia é mais comum em mulheres que estão grávidas pela primeira vez.

Múltiplas Gestações:

Gravidezes gemelares, trigêmeos ou mais aumentam o risco de pré-eclâmpsia.

Obesidade:

Mulheres com índice de massa corporal (IMC) elevado têm maior probabilidade de desenvolver pré-eclâmpsia.

Diabetes:

Diabetes pré-existente ou diabetes gestacional aumenta o risco.

Hipertensão Pré-Existente:

Mulheres com pressão arterial elevada antes da gravidez têm maior propensão.

Distúrbios Renais:

Problemas renais preexistentes podem contribuir para o desenvolvimento de pré-eclâmpsia.

Distúrbios Autoimunes:

Condições como lúpus e artrite reumatoide aumentam o risco.

Gravidez Consecutiva com Novo Parceiro:

Mulheres que têm uma nova gravidez com um novo parceiro podem ter maior risco.

Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP):

Mulheres com SOP apresentam maior predisposição.

Concepção por Fertilização in Vitro (FIV):

A gravidez após FIV pode aumentar o risco de pré-eclâmpsia.

O reconhecimento desses fatores é fundamental para identificar gestantes de alto risco, permitindo uma vigilância mais intensiva e intervenções preventivas durante o pré-natal.

Sintomas da pré eclampsia pós parto:

Os sintomas da pré eclâmpsia podem variar em gravidade, e algumas mulheres podem não apresentar sintomas evidentes. 

  • No entanto, os sinais comuns incluem:

Pressão Arterial Elevada:

Hipertensão, geralmente após a 20ª semana de gestação.

Proteinúria:

Presença de proteína na urina, indicando disfunção renal.

Dores de Cabeça Persistentes:

Dores de cabeça intensas e persistentes.

Distúrbios Visuais:

Visão turva, pontos cegos, luzes piscando ou sensibilidade à luz.

Dor Abdominal Superior:

Dor na parte superior do abdômen, abaixo das costelas.

Inchaço Repentino:

Inchaço nas mãos, face ou outras áreas do corpo, especialmente em torno dos olhos.

Náuseas e Vômitos:

Desconforto gástrico, muitas vezes associado a outros sintomas.

Problemas Respiratórios:

Dificuldade em respirar ou falta de ar.

Ganho de Peso Súbito:

Ganho de peso rápido devido à retenção de líquidos.

Diminuição da Diurese:

Menos frequência urinária do que o habitual.

Pré-Eclâmpsia Leve vs. Pré-Eclâmpsia Grave

CaracterísticasPré-Eclâmpsia LevePré-Eclâmpsia Grave
Pressão ArterialLeve a Moderadamente Elevada (140/90 mmHg ou acima)Significativamente Elevada (≥160/110 mmHg)
ProteinúriaPresente, Geralmente ModeradaGeralmente Mais Pronunciada
SintomasPode ser Assintomática ou com Sintomas LevesSintomas Graves, como Dores de Cabeça Intensas,
  Distúrbios Visuais, Dor Abdominal e Outros
InchaçoPode ocorrer, mas geralmente levePode ser mais Pronunciado, especialmente nas Mãos
Dor AbdominalPode ocorrer, geralmente leveMais Pronunciada, especialmente na Região Superior
Náuseas e VômitosPode estar presente, mas geralmente levesMais Pronunciados e Associados a Outros Sintomas Graves
ComplicaçõesMenos propensas a complicações gravesRisco Aumentado de Eclâmpsia, Síndrome HELLP e
  Comprometimento de Órgãos
Indicação de PartoGeralmente não urgente, pode ser gerenciadaPode exigir Parto Imediato, dependendo da gravidade
 com monitoramento cuidadosoda condição

A eclâmpsia é uma complicação grave da pré eclâmpsia, caracterizada por convulsões na gestante.

 Identificar sinais precoces, como pressão alta, proteinúria, é crucial.

O tratamento envolve medicamentos anticonvulsivantes e, frequentemente, o parto imediato , o que é eclâmpsia, como identificar e tratar.

Diagnóstico e Exames:

O diagnóstico da pré eclâmpsia envolve uma combinação de avaliação clínica, monitoramento de sintomas e a realização de vários exames.

  •  Aqui estão os principais aspectos relacionados ao diagnóstico e aos exames:

Avaliação Clínica:

O profissional de saúde realiza uma avaliação abrangente, incluindo histórico médico, fatores de risco, sintomas relatados pela gestante e exame físico.

Medição Regular da Pressão Arterial:

A medição regular da pressão arterial durante as consultas pré-natais é fundamental para identificar elevações significativas, um dos principais indicadores da pré-eclâmpsia.

  • Análise de Urina para Proteinúria:

Exames regulares de urina são realizados para verificar a presença de proteína, indicando disfunção renal associada à pré-eclâmpsia.

Exames de Sangue:

Testes laboratoriais podem incluir a avaliação dos níveis de enzimas hepáticas, contagem de plaquetas e função renal para identificar complicações associadas.

Ultrassonografia Doppler:

A ultrassonografia Doppler é utilizada para avaliar o fluxo sanguíneo nas artérias uterinas, o que pode ajudar na detecção precoce de problemas vasculares.

Monitoramento dos Sintomas:

A gestante é instruída a relatar sintomas como dores de cabeça persistentes, visão turva, dor abdominal superior, inchaço repentino e outros sinais preocupantes.

Teste de Tensão:

Em alguns casos, pode ser realizado um teste de tensão para avaliar a resposta do feto ao estresse, medindo os batimentos cardíacos fetais em resposta a contrações uterinas.

Perfil Biofísico Fetal (PBF):

Em gestações mais avançadas, o PBF pode ser usado para avaliar a saúde fetal, incluindo movimentos, tônus muscular, quantidade de líquido amniótico, frequência cardíaca e respiração.

O diagnóstico precoce é crucial para iniciar as intervenções necessárias e garantir um acompanhamento adequado, minimizando o risco de complicações graves associadas à pré-eclâmpsia.

Prevenção e Tratamento:

O tratamento da pré-eclâmpsia e da pré-eclâmpsia grave depende da gravidade da condição e do estágio da gravidez. Aqui estão as abordagens típicas para ambos os casos:

Pré-Eclâmpsia:

Monitoramento Regular:

Gestão intensiva e monitoramento cuidadoso durante o pré-natal para avaliar a pressão arterial, a presença de proteinúria e outros sinais de pré-eclâmpsia.

Repouso e Restrição de Atividade:

Em alguns casos, repouso relativo ou absoluto pode ser recomendado para ajudar a controlar a pressão arterial.

Suplementação de Cálcio:

Alguns estudos sugerem que a suplementação de cálcio pode ter benefícios na prevenção da pré-eclâmpsia.

Medicação Anti-hipertensiva:

Se a pressão arterial estiver significativamente elevada, podem ser prescritos medicamentos anti-hipertensivos para controlar a condição.

Monitoramento Fetal:

Avaliação regular da saúde fetal, incluindo ultrassonografias e monitoramento cardíaco fetal.

Pré-Eclâmpsia Grave:

Hospitalização:

Em muitos casos de pré-eclâmpsia grave, a hospitalização é necessária para monitoramento contínuo e intervenções imediatas.

Sulfato de Magnésio:

Administração de sulfato de magnésio para prevenir convulsões associadas à eclâmpsia.

Medicação Anti-hipertensiva Intensiva:

Uso de medicamentos anti-hipertensivos mais intensivos para controlar a pressão arterial.

Indução do Parto ou Cesariana:

Se a gestação atingiu um estágio avançado, o parto pode ser indicado para proteger a saúde da mãe e do bebê.

Cuidados com Complicações:

Gerenciamento de complicações associadas, como a síndrome HELLP, insuficiência renal ou disfunção hepática.

Acompanhamento Pós-Parto:

Monitoramento contínuo da saúde da mãe após o parto para garantir a recuperação adequada.

Riscos para o bebê

A pré eclâmpsia pode apresentar riscos significativos para o bebê, incluindo restrição do crescimento fetal, parto prematuro, baixo peso ao nascer e problemas respiratórios.

Em casos mais graves, a condição pode resultar em complicações neonatais imediatas e aumentar o risco de morte fetal.

A gestão eficaz, através do monitoramento atento e intervenções médicas quando necessário, é crucial para mitigar esses riscos e promover um resultado mais saudável para o recém-nascido.

Possíveis Complicações da Pré-Eclâmpsia:

Eclâmpsia:

Desenvolvimento de convulsões, uma complicação grave que pode afetar tanto a mãe quanto o feto.

Síndrome HELLP:

Uma condição que envolve problemas hepáticos, contagem baixa de plaquetas e anemia, apresentando risco significativo para a saúde materna.

Insuficiência Renal:

A pré-eclâmpsia pode levar a danos nos rins, resultando em insuficiência renal.

Problemas Cardiovasculares:

Aumento do risco de doenças cardiovasculares a longo prazo para a mãe.

Parto Prematuro:

A necessidade de indução do parto devido à gravidade da condição, aumentando o risco de complicações neonatais.

Restrição do Crescimento Fetal:

Diminuição do fluxo sanguíneo para a placenta, afetando o crescimento adequado do feto.

Dúvidas Comuns sobre a Pré-Eclâmpsia:

Posso Desenvolver Pré-Eclâmpsia na Segunda Gravidez?

Sim, mulheres que tiveram pré-eclâmpsia em uma gestação anterior têm um risco aumentado na próxima gravidez.

Quais São os Sintomas Iniciais?

Pressão arterial elevada, proteinúria, dores de cabeça persistentes, distúrbios visuais, inchaço repentino e dor abdominal superior.

É Possível Prevenir a Pré-Eclâmpsia?

Embora não seja totalmente evitável, um pré-natal adequado, monitoramento regular e estilo de vida saudável podem reduzir o risco.

A Pré-Eclâmpsia Afeta Apenas Grávidas de Primeira Viagem?

Não, mulheres em qualquer gestação, incluindo aquelas que já tiveram filhos, podem desenvolver pré-eclâmpsia.

Como a Pré-Eclâmpsia é Diagnosticada?

O diagnóstico envolve medição.

Posso Me exercitar pós parto?

exercícios pós parto cesárea.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias de Esporte & Saúde e bem estar

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Aviso: o site usa cookies que contem informações de rastreamento aos visitantes.